Connect with us

Finanças Pessoais

Qual É Melhor, Cartão de Crédito ou Débito?

Publicado

em

Crédito ou Débito

Todas as pessoas que utilizam algum tipo de cartão sempre se deparam com a seguinte pergunta na hora de passar pelo caixa e pagar suas compras com o cartão: passa no Crédito ou Débito?

Para quem vende isso não faz muita diferença, porém, para nós, consumidores, é preciso pensar com cuidado na hora de utilizar o cartão de crédito ou cartão de débito.

Temos entender qual é o real impacto de cada modalidade, sendo assim, é preciso analisar seu perfil de consumo e qual produto ou serviço está adquirindo.

Produto ou Serviço?

Produto ou Serviço?

Essa comparação é fundamental na hora de tirar qualquer cartão da carteira. Para entender esse diferença, vamos imaginar que você está no supermercado, pediu 4 pães, 1 caixa de leite e uma dúzia de bananas e ao chegar no caixa o total apresentado é de R$ 9,00.

Nesse caso, faz sentido utilizar o cartão de crédito para uma compra de menos de 10 reais? É claro que não, principalmente porque são produtos de consumo, ou seja, você compra, acaba com eles em pouco tempo e terá que comprá-los novamente em alguns dias.

De forma prática, aqui as regra são bem simples:

  • Produto de Consumo – Cartão de Débito;
  • Produto Durável de Baixo Custo – Cartão de Débito;
  • Produto Durável de Alto Custo – Cartão de Crédito, respeitando seu salário (ou o salário familiar), calculando suas despesas fixas.

Quanto aos serviços, é interessante priorizar o uso do cartão de crédito, pois se você tem uma conta no Netflix, na TV por assinatura, internet e plano de celular, por exemplo, pode utilizar esse cartão para poder centralizar seus pagamentos em uma só fatura.

Reunir serviços no cartão de crédito evita que você tenha o cuidado de lembrar de diversas contas, principalmente se tiverem diferentes vencimentos, evitando a cobrança de os juros, multas e até uma eventual pausa nos serviços por causa de um simples esquecimento.

Muitos preferem pagar no crédito e também optam por concentrar todos os gastos nesse cartão, priorizando duas necessidades. A primeira é controle detalhado e a segunda está relacionada ao acumulo de pontos, milhas e outros benefícios oferecidos pelas bandeiras/bancos pela fidelidade.

Não se esqueça que priorizar o cartão ou mantê-lo como principal não é uma garantia de equilíbrio financeiro, para isso, é preciso definir o limite para um valor igual ou pouco inferior ao seu salário, mantendo o vencimento da fatura para alguns dias após receber o pagamento.

À Vista ou Parcelado?

Dinheiro e Cartão

É nesse ponto que você deve recorrer ao planejamento financeiro e\ou orçamento familiar, pois será impossível medir o impacto de uma compra se não há menor noção dos rendimentos e despesas mensais.

A compra realizada à vista tem muitos benefícios, mas do que adianta ganhar um ótimo desconto se faltar dinheiro no final do mês?

Em contrapartida, existem situações em que realmente não há desconto no pagamento à vista. Sendo assim, o parcelamento pode ser uma opção interessante, desde que as parcelas do cartão de crédito não comprometem mais de 30% do seu salário ou um terço da receita familiar.

Um detalhe importante sobre parcelamentos é não acumular parcelas pequenas de forma sucessiva, ou seja, evite ao máximo concluir uma compra com base na “parcela que cabe no bolso”.

Sempre que você tiver a impressão de que a parcela é pequena, lembre-se se já não há um grupo de outras parcelas no seu cartão de crédito.

Importância das Compras

Pensando em Compras

Existem despesas essenciais e supérfluos, isso é fato e mesmo que você tenha dinheiro para realizar compras à vista, não significa necessariamente que elas devam ser concluídas, afinal de contas, uma compra finalizada por impulso pode comprometer outras despesas mais importantes, abrindo um caminho perigoso para o cheque especial.

Deixando essa questão decidir pela compra de lado, é preciso entender qual é importância de uma despesa e decidir se o débito ou crédito é a melhor opção.

Posso citar o caso de medicamentos, por exemplo, se você adoeceu e os custos com remédios representam um valor alto no seu orçamento existem alguns caminhos a seguir:

No Débito:

  • Perguntar se há desconto, e se há um bom desconto, avalie se é importante liquidar esse despesa de vez, desde que não fique apertado até receber o próximo salário.

No Crédito:

  • Em Apenas 1x – Verificar se a fatura já está fechada e se já fechou, avalie se o valor total pode ser pago integralmente na próxima fatura.
  • Parcelamento – Sua compra pode não ter desconto à vista, por isso, você pode optar pelo parcelamento quando o valor supera 30% da sua renda no mês atual ou na próxima fatura.

Lembre-se que estou utilizando aqui as redes de farmácias que, geralmente, parcelam as compras de seus clientes. Mas, o mesmo vale para compra de outros produtos, nos mais variados segmentos, desde que respeitem as regras citadas anteriormente.

Itens como geladeira, fogão, cama, sofá, TV, computadores possuem preços mais altos que a soma de diversas despesas da casa, por isso, vale a pena utilizar o cartão de crédito, pois são produtos duráveis e necessários para a qualidade de vida.

Não posso deixar de reforçar que as despesas com a saúde devem ser pagas primeiramente com a sua reserva de emergência, principalmente para evitar as surpresas financeiras. É claro que, em um situação de emergência, o cartão pode, sim, ser um aliado para suas finanças pessoais.

Conclusão

Você é o responsável pelo dinheiro que entra e sai do seu bolso, por isso, deve ter um controle ativo sobre a utilização dos cartões que carrega.

Não podemos associar crédito como um vilão, pelo contrário, esse tipo de cartão oferece até 40 dias pagar suas contas, permitindo se organizar financeiramente.

O débito tem quase o mesmo poder de compra que o dinheiro, por isso, deve ser prioridade para pequenas despesas, ou seja, a compra de produtos de consumo ( alimentação, cinema e lazer ), enfim, coisas pequenas que fazem parte da sua rotina diária.

Tome muito cuidado para não cometer o erro de pagar as mesmas coisas com as duas modalidades de cartões, afinal de contas, não é nada interessante gastar o dinheiro e ficar sem ele na hora de pagar a fatura.

Clique para comentar

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Trending